Licença Creative Commons
O Blog é licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported.
Baseada no trabalho presente em http://www.pintandoosetecomavida.blogspot.com.
.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Acaso


(Imagem-Google Imagens)

Vestida de momento
Em companhia do vento
Brinca de viver com a vida

Vestida de acaso
Não limita os passos
E caminha ao relento

Vestida de infinito
Faz do agora todo tempo
Metamorfoseia sentimentos

Vestida de flor
Anda de braços abertos
Distribuindo amor

Maria Helena Mota Santos

03/04/2011


Interação magnífica, amigo! Adorei! Obrigada!


Acaso,pressinto
choro e, pinto.
Acaso,minto,
quando sinto
mudanças de ritmo.
Acaso,paro, escuto
até ao prelúdio do dia,
Acaso, insisto
pode muito bem,
suceder o luto,
ou,
manter o controlo,
no comando automático.
Sintomático,
ou, talvez não,
importa, acautelar.
Acaso o rolo,
se arraste devagarinho,
para não ferir a mão.
Acaso, posso viver
com companhia
ou, sozinho.
Nesta hora, o acaso
fez-se caso,
até um dia sem saber,
O acaso deixou de ser.

Adriano
Blog Fatimawines(http://fatimawinews.blogspot.com)

4 comentários:

  1. lindo.
    adorei a sensação de liberdade que trouxe esse poema.
    boa semana, Helena!

    ResponderExcluir
  2. Helena,

    Acaso,pressinto
    choro e, pinto.
    Acaso,minto,
    quando sinto
    mudanças de ritmo.
    Acaso,paro, escuto
    até ao prelúdio do dia,
    Acaso, insisto
    pode muito bem,
    suceder o luto,
    ou,
    manter o controlo,
    no comando automático.
    Sintomático,
    ou, talvez não,
    importa, acautelar.
    Acaso o rolo,
    se arraste devagarinho,
    para não ferir a mão.
    Acaso, posso viver
    com companhia
    ou, sozinho.
    Nesta hora, o acaso
    fez-se caso,
    até um dia sem saber,
    O acaso deixou de ser.

    Um abraço,

    ResponderExcluir
  3. Ei querida!
    Essa poesia é linda, mas também reflexiva. Maravilhosa interação. Adorei!
    Que sua semana seja repleta de alegria!
    Gd beijo

    ResponderExcluir
  4. Ola amiga Maria Helena, estamos de volta após uns dias de molho para modernizar e ajustar a maquina, pois a mesma deu pau nos deixando de cabelos em pé.
    Agora tudo está em perfeita ordem.
    A saudade de ler os versos deste Pintando o sete com a vida para que alimentemos a nossa alma.
    Abraço

    ResponderExcluir